segunda-feira, 19 de abril de 2010

Projeto Redução de Amarantina - Um dos principais pontos turísticos de Ouro Preto...

O Museu das Reduções é um museu brasileiro que está localizado a cerca de 25 km do centro histórico de Ouro Preto, em Minas Gerais, no distrito de Amarantina.
Exibe réplicas de importantes construções históricas brasileiras em tamanho reduzido.
A precisão dos detalhes impressiona por não existir em lugar algum no mundo museu semelhante.


Richard Lima, o artesão e o proprietário Carlos Vilhena.

















Abaixo, algumas fotos que eu tirei no Museu:



Quatro séculos da arquitetura e da arte usadas na construção dos mais belos e importantes monumentos do Brasil estão no Projeto Redução de Amarantina.
Este fantástico mundo foi, pacientemente ao longo dos anos, povoado pela criatividade e pela persistência de quatro irmãos aposentados.
Instalado às margens da Rodovia dos Inconfidentes, no município de Ouro Preto (Patrimônio Mundial da Humanidade), o projeto é um dos principais pontos turísticos da região, dividindo visitantes com as magníficas obras de Aleijadinho e outros nomes célebres do período colonial e do barroco mineiro.
Em Amarantina, estão réplicas perfeitas dos edifícios de cada período da história do País, desde os rebuscados e complexos prédios do período barroco até os modernos e futuristas projetos da capital federal.
Além de usar os mesmos materiais e o estilo dos originais, as reduções se diferenciam das maquetes pelo detalhamento na construção, com destaque nas minúcias que enriquecem as fachadas e dão um toque todo especial ao acabamento.
Frente a frente com os modelos, que obedecem a uma escala, a pessoa é imediatamente remetida à época de cada construção, como em uma máquina do tempo.
O valor cultural destas obras não define apenas o perfil de um povo ou reza pela preservação da memória e da vocação natural desta gente para o artesanato.
Representa a luta pela sobrevivência de todas as tradições desta arte de rara expressão, onde só a dedicação e o talento dos artesãos não foram diminuídos.

A exposição do Projeto Redução está aberta a visitação pública de quarta-feira a segunda-feira, das 9 às 17 horas, na rua São Gonçalo, 131 - Amarantina - Minas Gerais

Conheça a Exposição

Vocês conheceram a obra dos Irmãos Vilhena que tem, até o momento, a duração de mais de 20 anos de trabalho aproximadamente, que foi iniciada após a aposentadoria de todos os quatro, que têm plano de fazer outro tanto de réplicas.
O artesão mor é Ênnio que criou:

- A técnica da construção;
- O modo de encaixar as janelas no reboco das paredes, dando impressão de que foram fixadas no momento da construção;
- As ferramentas para fazer arremates, formas para telhas coloniais, de escamas, de amianto e também suas massas;
- A maquinazinha para fazer o zinco da Usina;
- Os engradamentos dos telhados em madeira, iguais aos originais;
- Os maravilhosos telhados, colando telha por telha, que em Olinda chegaram a ser em número de 6.000;
- Todas as belíssimas grades fazendo peça por peça, soldadas com milhares de pontos de solda branca, seguindo os desenhos das originais;
- As iluminações do engenho de açúcar e dos postes da Usina Hidrelétrica;
- A máquina de moer cana do Engenho, e etc.

Ao Décio coube fazer desenhos dos monumentos e os trabalhos em madeira, cerca de 520 portas e janelas, caixilhos de 1 mm de espessura e algumas vezes, formando desenhos, as belas treliças de Parati e Fazenda Resgate, o Farol do Farol da Barra, as grades da Varanda do Pátio da Casa dos Contos, as portas e janelas com almofadas e etc.

À Sylvia foi entregue as esculturas em pedra sabão, as colunas, os relevos, enfim, todo o trabalho em pedra.

A Evangelina foi quem fotografou os monumentos e coordena os trabalhos da eficiente equipe de jovens que muito coopera para a realização do projeto e dirige a Escola de Artesanato e todo os seu movimento juntamente com a Daise.

Participaram também do Projeto, na parte de pintura, Paulo Versiani, Yeda Wanderley e Jorge Prata.

Da esquerda para para a direita: Ênnio, Sylvia, Evangelina e Décio














Décio Alves de Vilhena

- Nascido em Campanha - MG, em 25/02/1916;
- Filho de Antônio Cyrillo de Freitas Vilhena e Maria Antônia Alves de Vilhena;
- Curso de 2º grau em Juiz de Fora e vários cursos técnicos na Panair do Brasil;
- Trabalhou na empresa aérea Panair do Brasil até o seu encerramento em 1965, indo em seguida para a empresa aérea SABAMA, na Bélgica, onde esteve durante um ano;
- Depois trabalhou na TAP, em Portugual, como comandante, por nove anos, quando aposentou;
- Trabalhou ainda em uma firma de consultoria de engenharia, a TRANSCON, no Rio de Janeiro, como Consultor de Transportes Aéreos;
-Cargos ocupados na Panair do Brasil: chefe de instruções, piloto chefe e diretor técnico. Na Panair, bateu o tempo record da travessia Portugual - Rio de Janeiro em outubro de 1963.

Ênnio Alves de Vilhena

- Nascido em Campanha - MG, em 28/01/1918;
- Filho de Antônio Cyrillo de Freitas Vilhena e Maria Antônia Alves de Vilhena;
- Curso de Perito Contador na Academia de Comércio de Juiz de Fora;
- Funcionário do Banco de Crédito Real de Minas Gerais - CREDIREAL - na sucursal de Juiz de Fora;
- Cargos ocupados - chefe de seção e assessor administrativo.

Evangelina Alves de Vilhena

- Nascida em Campanha - MG, em 29/11/1920
- Filha de Antônio Cyrillo de Freitas Vilhena e Maria Antônia Alves de Vilhena;
- Curso de Magistério do 2º grau na Escola Normal Oficial de Juiz de Fora;
- Professora do Colégio 12 de dezembro em Belo Horizonte e funcionária do Instituto de Previdência dos Servidores do
- Estado de Minas Gerais - IPSEMG;
- Admitida em 31/12/1946 e aposentada em 05/12/1978;
- Cargos ocupados - agente administrativo e coordenador administrativo.

Fonte: www.projetoreducao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário